sábado, 15 de setembro de 2012 0 comentários

O vetor e as grandezas vetoriais

O vetor e as grandezas vetoriais
sexta-feira, 14 de setembro de 2012 0 comentários

.: PLANO DE AULA : TEMAS TRANSVERSAIS

.: PLANO DE AULA : TEMAS TRANSVERSAIS: 1. TEMA DA AULA: Ética e Cidadania 2. JUSTIFICATIVA : Essa aula contribuirá para que os alunos saibam diferenciar ética e cidadania, sabe...
0 comentários

E.E.B. "DR. OTTO FEUERSCHUETTE": PLANO DE AULA "ÉTICA E CIDADANIA"

E.E.B. "DR. OTTO FEUERSCHUETTE": PLANO DE AULA "ÉTICA E CIDADANIA"
0 comentários
Educação e Cidadania



RESUMO

"A educação para a cidadania constitui um conjunto complexo que abraça, ao mesmo tempo, a adesão a valores, a aquisição de conhecimentos e a aprendizagem de práticas na vida pública. Não pode, pois, ser considerada como neutra do ponto de vista ideológico". Delors

A formação do ser humano começa na família. Ali, tem início um processo de humanização e libertação, valores morais e éticos; é um caminho que busca fazer da criança um ser civilizado, e bem cedo à escola participa desse processo. A educação formal e informal, movimentos sociais, entidades públicas, abordando aspetos tais como a educação das crianças, jovens e adultos para uma nova cultura dos direitos humanos e da paz e a reflexão e sistematização da prática educativa em direitos humanos.

Palavras-chave: Cidadania, Educação e Ética.

1-INTRODUÇÃO

Nessa sociedade em rápida transformação, cidadania depende cada vez mais da educação moral e ética. No atual contexto tecnológico, de consumo e da mundialização da economia e da cultura, os indivíduos são seduzidos a viver os valores das grandes elites econômicas nos mais diversos aspectos da vida social. Por isso a cidadania necessita de um elevado nível de socialização do saber científico. Do contrário, seremos apenas consumidores ou não, dependendo da nossa condição socioeconômica e dos nossos valores.

A educação é um meio de construção e reconstrução de valores e normas que dignificam as pessoas e as tornam mais humanas. "Numa educação ética, é preciso resgatar e incorporar os valores solidariedade, de fraternidade, de respeito às diferenças de crenças, culturas e conhecimentos, de respeito ao meio ambiente e aos direitos humanos." (Siegel. 2005.p 41).

Ser cidadão é perceber que fazemos parte do mundo. Nossas escolhas e posturas diante da vida afetam não apenas a nós mesmos, mas também a vida de outras pessoas, da comunidade. Assim como as atitudes das outras pessoas também nos afetam. Ao invés de só reclamarmos poder agir e transformar as coisas. É verdade que sozinhos não podemos mudar tudo, mesmo por que cada um de nós tem um ponto de vista diferente do que e de como mudarmos as coisas. Ter como princípio a valorização do humano, do ser e não apenas do ter material, já é um bom começo. Em nossas comunidades, escola, clube, prédio, rua, etc. Sempre há pessoas que se uniu para lutar por algo que acredita. Conheça melhor a sua comunidade e experimente participar dela mais ativamente!

Uma idéia é a participação de projetos que visem à melhoria da qualidade da educação.

"A preocupação com a educação para a cidadania, no Brasil, remonta à Constituição de 1823. Parece curioso que em pleno Império já se fizesse presente entre nós um conjunto de idéias em torno da universalização dos direitos, influenciada pelo coetâneo movimento da ilustração francesa. Embora esse avançado ideário tenha alcançado seu lugar na letra da lei, na realidade ainda predominava entre nós a configuração de uma sociedade escravocrata e excludente, na qual apenas os homens livres e proprietários desfrutavam de direitos devido ao sistema censitário imperial. Esse sistema vigorou durante o Segundo Reinado e tinha sido definido pela Constituição de 1824, a qual assegurava o direito de votar e ser votado, participar da Câmara e do Senado, apenas àqueles cidadãos que se enquadrasse em determinados níveis de renda. Não obstante, tanto os constituintes de 1823, quanto os de 1824 preconizavam a disseminação de escolas, ginásios e universidades, bem como a garantia da gratuidade do ensino público – apesar de omissos no que respeita à matéria obrigatoriedade." (BOTO 1999, p. 2).

A questão da defesa da ampliação do acesso à escola referia-se à desigualdade social, a qual se supunha, poderia ser compreendida a partir dos parâmetros de capacidades e talentos individuais. A elite econômica esta passando a ser destinada a tornar-se elite cultural, uma vez que a universalização do acesso à educação formal não se efetivou, permanecendo privilégio de uns poucos considerados talentosos e mais capazes em relação aos filhos do povo, destinados à execução de tarefas de somenos importância do ponto de vista da vida econômica, política e social. Até o nascimento do partido Republicano, em 1870, não foram verificadas grandes mudanças na área da educação, embora houvesse a crença de que a escolarização era indispensável ao progresso do país, o que, por conseqüência, exigia a transformação dos súditos em cidadãos.

1- ÉTICA E EDUCAÇÃO

A ética se refere aos princípios e normas enquanto tais e, mais especificamente, à ciência ou à parte da filosofia que estuda esses princípios e normas buscando distinguir entre o bem e o mal; enquanto que a moral corresponde à retidão dos costumes que conduzem as ações consideradas corretas e meritórias no seio de uma determinada comunidade que compartilha um mesmo sistema de valores.

Os valores indicam as expectativas, as aspirações que caracterizam o homem em seu esforço de transcender-se a si mesmo e à sua situação histórica; como tal, marcam aquilo que deve ser em contraposição àquilo que é. A valoração é o próprio esforço do homem em transformar o que é naquilo que deve ser. Essa distância entre o que é e o que deve ser constitui o próprio espaço vital da existência humana; com efeito, a coincidência total entre o ser e o dever ser, bem como a impossibilidade total dessa coincidência, seriam igualmente fatais para o homem. Valores e valoração estão intimamente relacionados: sem valores a valoração seria destituída de sentido; sem a valoração, os valores não existiriam.

Podemos considerar que, sendo a educação a formação do homem, entendida em seu conceito amplo, ela não é outra coisa senão o próprio processo de produção da realidade humana em seu conjunto. De outro lado, considerando-se que a natureza humana não é dada ao homem, mas é por ele produzida sobre a base da natureza biofísica, a educação, em termos estritos, isto é, a educação enquanto atividade intencional consiste no ato de produzir, direta e intencionalmente, em cada indivíduo singular, a humanidade que é produzida histórica e coletivamente pelo conjunto dos homens. A ética pertence, portanto, ao segundo campo dos valores referidos anteriormente, a saber, o domínio pessoal onde se coloca a questão das relações entre os homens as quais, como foi assinalado, não pode ser do tipo vertical ou de dominação, mas horizontal ou de colaboração.

Ora, o aspecto pessoal da estrutura do homem põe em evidencia que o homem é capaz de dominar a situação, de se afastar ou intervir, de decidir, escolher, arriscar, mas também de assumir as suas escolhas, engajar-se por elas, responsabilizar-se. Vê-se, assim, que o referido aspecto pessoal articula, de forma indissociável, os momentos da liberdade e da responsabilidade, os quais devem ser levados em conta pela educação.

Entretanto, a educação tem tratado o problema em termos divididos; Assim, quando o destaque é no pólo da responsabilidade, isto é, da vontade, tem-se a educação moral que irá enfatizar a força de vontade, o querer é poder, a formação do caráter. E quando for destaque no pólo da liberdade, têm-se a educação liberal que ira enfatizar a autonomia do sujeito, a liberdade de escolha e a franca competição entre os indivíduos. Portanto, que a educação moral deve levar em conta o aspecto pessoal do homem em seus dois momentos pressupondo, em conseqüência, o elo entre liberdade e responsabilidade. Com efeito, a capacidade de decidir, de optar, de querer ou não querer, de aceitar ou rejeitar, é algo de pessoal e intransferível. E é esse caráter, respaldado na liberdade, que determina a responsabilidade. O sujeito assume as suas decisões, engaja-se por elas, assumindo também as conseqüências e implicações dessas suas decisões e de seu engajamento.





2- EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA





"A democracia surgiu quando, devido ao fato de que todos são iguais em certo sentido, acreditou-se que todos fossem absolutamente iguais entre si."Aristóteles
A educação para a cidadania pretende fazer de cada pessoa um agente de transformação. Isso exige uma reflexão que possibilite compreender as raízes históricas da situação de miséria e exclusão em que vive boa parte da população. A formação política, que tem no universo escolar um espaço privilegiado, deve propor caminhos para mudar as situações de opressão.

Muito embora outros segmentos participem dessa formação, como a família ou os meios de comunicação, não haverá democracia substancial se inexistir essa responsabilidade propiciada, sobretudo, pelo ambiente escolar. A idéia de educação deve estar intimamente ligada às de liberdade, democracia e cidadania. A educação não pode preparar nada para a democracia a não ser que também seja democrática.

"A democracia não se refere só à ordem do poder público do Estado, mas devem existir em todas as relações sociais, econômicas, políticas e culturais. Começa na relação interindividual, passa pela família, a escola e culmina no Estado. Uma sociedade democrática é aquela que vai conseguindo democratizar todas as suas instituições e práticas". Bóbbio (2002)

A adesão aos valores democráticos liberdade, pluralismo, resolução pacífica dos conflitos, eleições etc., e a participação política estão diretamente relacionados ao nível de escolaridade. O que afasta a maioria dos indivíduos da participação política são os valores neoliberais.

Nesta reinante concepção econômica e social o indivíduo tem valor de acordo com a sua capacidade de consumo. Somos tratados como consumidores e não como cidadãos. Ser cidadão significa lutar por seus direitos em todos os espaços. Assumir o valor da cidadania significa reafirmar o valor da solidariedade contra o individualismo, da cooperação contra o valor da competição.

De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, os PCNS, outra maneira de se trabalhar com os alunos os seus direitos de cidadão é utilizando a cultura. Através disto, os alunos podem descobrir dentro dos esportes, música, teatro, leituras, pesquisa, das brincadeiras e dos jogos, conhecimentos necessários para que se possa fazer uma crítica dos valores sociais, que nos dias de hoje, estão cada vez mais voltados para os interesses de pessoas que possuem mais poder dentro da sociedade. Na tentativa de propor uma educação comprometida com a cidadania, elegeram, com base em textos constitucionais, princípios pelos quais pode ser orientada a educação escolar, e que estão descritos no PCN-Temas Transversais / Ética a seguir:

*Dignidade da pessoa humana, que implica no respeito aos direitos humanos, repúdio à discriminação de qualquer tipo, acesso a condições de uma vida digna, respeito mútuo nas relações interpessoais, públicas e privadas.

* Igualdade de direitos que refere-se à necessidade de garantir que todos tenham a mesma dignidade e possibilidade de exercício da cidadania. Para tanto há que se considerar o princípio da eqüidade, isto é, que existam diferenças (éticas, culturais, regionais, de gênero, etárias, religiosas, etc.) e desigualdades (socioeconômicas) que necessitam ser levadas em conta para que a igualdade seja efetivamente alcançada.

* Participação, que como princípio democrático, traz a noção de cidadania ativa, isto é, da complementaridade entre a representação política tradicional e a participação popular no espaço público, compreendendo que não se trata de uma sociedade homogênea e sim marcada por diferenças de classe, étnicas, religiosas, etc.

* Co-responsabilidade pela vida social, que implica em partilhar com os poderes públicos e diferentes grupos sociais, organizados ou não, a responsabilidade pelos destinos da vida coletiva.

São estes pontos que o professor necessita para trabalhar o conceito de igualdade e democracia dentro do âmbito escolar. A educação escolar resulta ser um instrumento básico para o exercício da cidadania. Ela, entretanto, não constitui a cidadania, mas sim uma condição indispensável para que a cidadania se constitua. O exercício da cidadania nos mais diferente organismo sindicatos, partidos, etc. não se dão de modo cabal sem o preenchimento do requisito de acesso à cultura letrada e domínio do saber sistematizado que constituem a razão de ser da escola.

CONCLUSÃO

Não se pode, pois, dizer, que a sociedade atual carece de ética, de educação e de cidadania. O que ocorre é que ela tem uma ética, uma educação e uma cidadania que lhe são próprias e estão referidas a alguns princípios gerais e abstratos, subsumem, entretanto, valores concretos que consubstanciam a forma de vida própria da sociedade. Assim, os princípios da liberdade, igualdade, democracia e solidariedade humana são subsumidos pelos valores do individualismo, da competição, da busca do lucro e acumulação de bens os quais configuram a moral.E a educação é chamada, na sociedade para realizar a mediação entre ética e cidadania, formando os indivíduos de acordo com os valores requeridos por esse tipo de sociedade. Assim, pela mediação da educação, se buscará instituir, em cada indivíduo singular, o cidadão ético correspondente ao lugar a ele atribuído na escala social.

Uma nova cidadania acontece por intermédio dos currículos oficiais e, para isso, é necessário que os currículos sejam revistos. Acontece também em todos os demais espaços escolares e tudo necessita de um olhar novo para que saiamos do quadro de fracasso da instituição escolar no qual, sabemos, o país está imerso. É necessário ensinar às nossas crianças e jovens não apenas a ler e a escrever, mas a olhar o mundo a partir de novas perspectivas. Ensinar a ouvir, falar e escutar, a desenvolver atitudes de solidariedade, a aprender dizer não ao consumismo imposto pela mídia, a dizer não ao individualismo e sim à paz.

Educar para a cidadania é adotar uma postura, é fazer escolhas. É despertar para as consciências dos direitos e deveres, é lutar pela justiça e não servir a interesses seculares. É uma urgência que grita e que deveria ecoar nos corações humanos e não nos alarmes das propriedades que tentam proteger a vergonha do que a civilização humana construiu. Para alcançarmos isso, não podemos ficar somente no ensinar para a cidadania. É preciso construir o espaço de se educar na cidadania. E nesse sentido, não é somente a preposição que muda. Muda a postura do professor que de cidadão que somente exige seus direitos passa a lembrar também dos seus deveres.

"É preciso plantar a semente da educação para colher os frutos da cidadania". Paulo Freire

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BOBBIO, Norberto. Teoria geral da política. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

BOTO, C. A escola primária como tema do debate político às vésperas da República. Revista Brasileira de História. v. 19, n. 38, São Paulo, 1999.

BRASIL.Secretaria de Educação Fundamental.Parâmetros Curriculares Nacionais: Apresentação dos Temas Transversais,Ética.vol. 10. Brasília: MEC/SEF, 1997, 146pag.

DELORS, Jacques. Pensamentos .Acessado em:http://novospensamentos.blogs.sapo.pt/.Em 12 de outubro de 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à prática pedagógica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

SIEGEL,Norberto. Fundamentos da Educação:Temas Transversais e Ética. Associação Educacional Leonardo da Vinci (ASSELVI).Indaial:Ed.ASSELVI,2005.119p


Autor: Márcia Regina Cabral
0 comentários
Projeto Cidadania - 4º Ano - Séries Iniciais - 2010

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO/SC
ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA CEL. ANTÔNIO LEHMKUHL
AV. CEL. ANTÔNIO LEHMKUHL
CENTRO= ÁGUAS MORNAS- SC´= BRASIL

PROJETO CIDADANIA

4o Ano do Ensino Fundamental

Professores ( pedagogosJ Gildo Francisco Abreu
Maria Do Carmo Ávila Lehmkuhl
Vânia Amélia Miranda Koerich

Contexto Escolar
A Escola de Educação Básica Cel. Antônio Lehmkuhl está situada no Centro do Município de Águas Mornas, com população de 4.410 habitantes, segundo dados de 2007 do IBGE. Uma cidade de Santa Catarina localizada na Região da Grande Florianópolis, a 36 Km da Capital do Estado, se caracteriza pelas belezas naturais, fontes de águas termais com até 40º, cultura germânica (97% da população) e um dos maiores produtores de hortigranjeiros da região da Grande Florianópolis.
A Escola atende em média 500 alunos que estudam nos níveis de Ensino fundamental e Médio. Sendo que os alunos das séries Iniciais do Ensino Fundamental estão inseridos num projeto de Escola Pública Integrada e permanecem na Instituição de Ensino das 07h e 45min até as 17h, de 2ª a 5ª feira. Nas 6ª feiras os alunos permanecem até as 12horas e no período vespertino os professores se reunem para planejar, avaliar e trocar experiências.
Os pais dos alunos são em sua maioria, agricultores, empregados da construção civil, faxineiras e donas de casa. A renda familiar normalmente é baixa, atendendo apenas as necessidades básicas. Muitos com um nível mínimos de estudos, normalmente, pessoas honestas e trabalhadoras que ocupam a maior parte de seu tempo, trabalhando e buscando com muita dificuldade o sustento da família.
Em meio a este cenário, a escola tem a responsabilidade de discutir, refletir e pesquisar assuntos que dê aos alunos condições de conhecer seus direitos e deveres, observar os acontecimentos cotidianos para tornarem-se cidadãos mais conscientes, já que as famílias com poucos estudos e com tempo limitado em companhia dos seus filhos apresentam dificuldades de desenvolver.
O projeto Cidadania Mirim surge da necessidade de instrumentalizar e proporcionar condições para que os alunos possam firmar e construir sua cidadania.
Este projeto foi aplicado em 2009 em uma turma de 4ª série do Ensino Fundamental de 8 anos e no ano de 2010 reorganizado e aplicado na 4ª série do Ensino Fundamental de 9 anos.

Período: 03 de agosto a dezembro/2010

OBJETIVO: Despertar o interesse dos alunos pelos assuntos sobre política partidária proporcionando conhecimentos e estimulando a participação nas decisões coletivas, promovendo o bem comum.
JUSTIFICATIVA: Ser cidadão é participar da vida em comunidade, zelar pelo patrimônio público e ser agente participativo nas decisões, é, enfim, adotar uma postura em favor do bem comum, visando a construção de um país verdadeiramente grande, justo e solidário. Este PROJETO terá como base desenvolver nos alunos alguns conhecimentos necessários para o exercício da cidadania.

Ações e Operações
Hora de ouvir leitura
Leitura de texto
Interpretações oral e escrita de textos
Trabalho em equipe
Roda de conversa
Visita ao fórum
Visita a Assembléia Legislativa - SC
Visita Para Conhecer Os Trabalhos Oferecidos Pelo Poder Público Na Prefeitura;
Visita ao Gabinete do prefeito
Entrevista com o Prefeito
Entrevista com o Secretário da Educação
Assistir a sessão na Câmara de vereadores
Conversa com um conselheiro tutelar
Assistir a uma sessão da câmara de vereadores
Entrevista com juiz e promotor
Pesquisa na Internet sobre a vida de alguns candidatos a presidente da república
Assistir os filmes: Um sonho Possível; Fábrica de Chocolate e A Bússola Dourada.
Identificar os direitos das crianças através do Estatuto da Criança e do Adolescente.
Confecção de cartaz sobre os direitos e deveres das crianças.
Pesquisar e discutir : código de defesa do consumidor; direitos da mulher; estatuto da criança e do adolescente; constituição federal da criança.
Apresentação e Discussão Da Constituição Brasileira.
Pesquisa Na Internet: Sobre Os Candidatos a Presidente E Vice-Presidente Da República, na Eleição 2010.
Pesquisa Na Internet: sobre a função dos Senadores, dos governadores, do presidente da República e dos Deputados Federais.
Organização e Apresentação do trabalho em equipe com informações sobre as eleições 2010.
No Jornal, Observar e Pesquisar Textos Com Informações Sobre Política;
Visita A Casa Da Cultura.
Eleger o líder o líder e vice líder da turma
· RECURSOS:
· texto;
· Quadro;
· Televisão;
· Vídeo;
· data show;
· folha sulfite e papel pardo;
· cartolina;
· jornal;
· revistas;
· livro didático;
· computador;
· livros de literatura;
· estatuto da criança e do adolescente;
· Constituição Federal;
· Laboratório de informática.

AVALIAÇÃO
Processual e contínua. Serão avaliados as produções individuais e coletivas, as atividades, a expressão oral e escrita, participação, interesse e a recuperação será feita ao decorrer do ano e de todo o processo.

ATIVIDADES
1-Visita a Câmara de vereadores. Após a visita a Câmara de Vereadores, eleger 9 alunos representando os 9 vereadores. Eles escolherão o presidente da Câmara e formarão 2 comissões: saúde e educação e cada comissão elaborará um projeto de lei que possa resolver algum problema no município.
2-Pesquisa na internet, em equipe de um breve histórico sobre a vida dos candidatos a presidente, vice-presidente da república e dos candidatos a Governado de SC nas eleição 2010. Bem como da função dos Deputados Federais e dos Senadores.
3-trabalho em equipe : em 8 equipes organizar as informações pesquisadas sobre as eleições 2010 e apresentação d o resultado do trabalho ao grande grupo.
4- Resolver situações problema com informações sobre as eleições 2010.
5- a) -Utilizando o data show, na sala de aula, realizar a leitura do Estatuto da Criança e do Adolescente –Turma da Mônica.
B) -Pesquisa no estatuto da criança e do adolescente – em grupo de 4 alunos. Ler o V Capítulo da Declaração Universal dos direitos da criança e do Adolescente e escolher um deles. Analisar o direito escolhido e escrever o dever correspondente a ele.
Direito escolhido:..................................... Dever correspondente........................
C)-Organizar um cartaz- escolher um título para o cartaz- colar o direito e o dever redigido pelo grupo. Ilustrar com desenhos e recortes de revista.
6- Leitura do texto CIDADÃO MIRIM, p.47,49,50 DO LIVRO “TROCANDO IDÉIAS” Língua Portuguesa e Projetos.
· Roda de conversa Sobre os conceitos observados no texto
· Elaborar o resumo do texto
· Interpretação oral

7--Lei de proteção a Mulher- Leitura e discussão de alguns tópicos.

8-. Leitura e roda de discussão do texto “Marcha Global” p.64 e o texto Vidrados em Ciências, p. 65. Idem livro citado na atividade 7

9-Discutir o tema Infância em Situação de Risco- com o Texto -O Trapiche- de Jorge Amado – p. 72 e 72 do mesmo livro.
10-Resolver problemas envolvendo as quatro operações utilizando dados das contas de luz e água das residências dos alunos e da escola.
11-Resolver problemas envolvendo as quatro operações utilizando dados envolvendo os gastos com saúde, alimentação, educação......de cada aluno.

12- Texto- Direitos de ter direitos
Está aí a importância de saber direito o que é cidadania. É uma palavra usada todos os dias e tem vários sentidos. Mas hoje significa, em essência, o direito de viver decentemente.
Cidadania é o direito de ter uma idéia e de poder expressá-la. É poder votar em quem quiser sem constrangimento. É processar um médico que comete um erro. É devolver um produto estragado e receber o produto de volta. É o direito de ser negro sem ser descriminado, de praticar uma religião sem ser perseguido.
Há detalhes que parecem insignificantes, mas revelam estágios de cidadania: respeitar o sinal vermelho no trânsito, não jogar papel na rua, não destruir telefones públicos. Por trás destes comportamentos, está o respeito a coisa pública (ao que é de todos).
O direito de ter direitos é uma conquista da humanidade. Da mesma forma que a anestesia, as vacinas, o computador, a máquina de lavar, a pasta de dentes, o transplante de coração.
Foi uma conquista dura. Muita gente lutou e morreu para que tivéssemos o direito de votar. E outras batalharam para que você pudesse votar aos dezesseis anos. Lutou-se pela idéia de que todos os homens merecem a liberdade e de que todos são iguais diante da lei.
(Gilberto Dimenstein)

13- Texto - O REIZINHO MANDÃO

O príncipe era um sujeitinho muito mal-educado, mimado, destes que as mães deles fazem todas as vontades, e eles ficam pensando que são os donos do mundo.
Precisava ver que reizinho chato que ele ficou!
Mandão; teimoso, implicante, xereta!
Ele era tão xereta, tão mandão que queria mandar em tudo o que acontecia no reino.
Quando eu digo tudo, era tudo mesmo!
A diversão do reizinho era fazer leis e mais leis. E as leis que ele fazia eram as mais absurdas do mundo.
Olhem só esta lei:
“Fica terminante mente proibido cortar a unha do dedão do pé direito em noite de lua cheia!”
Agora, por que é que o reizinho queria mandar no dedão das pessoas, isso ninguém jamais vai saber.
Outra lei que ele fez:
“É proibido dormir de gorro na primeira quarta-feira do mês.”
Agora, por que é que ele inventou essas tolices, isso ninguém sabia.
Eu tenho a impressão de que era mesmo mania de mandar em tudo.
Os conselheiros do rei ficavam desesperados, tentavam dar conselhos a ele, que afinal é pra isso que os conselheiros existem.
Eles explicavam que um rei tem de fazer leis importantes, para tornar o povo mais feliz.
Mas o reizinho não queria saber de nada.
Era só um conselheiro qualquer abrir a boca para dar um conselho , e ele ficava vermelhinho de raiva, batia o pé no chão e gritava de maus modos:
- Cala a boca! Eu é que sou o rei. Eu é que mando!
Podia ser ministro, embaixador, professor. E tantas vezes ele mandava, que o papagaio dele acabou aprendendo a dizer “Cala a boca” também.
Tinha horas que era até engraçado. O reizinho gritava “cala a boca” de cá, e o papagaio gritava “cala a boca” de lá.
As pessoas, então, foram ficando cada vez mais quietas, cada vez mais caladas.
E de tanto ficarem caladas as pessoas foram esquecendo como é que se falava.
Até que chegou um dia que o reizinho percebeu que ninguém mais no reino sabia falar.
(Ruth Rocha)

14- Estudo do texto- Responda com atenção.
No primeiro parágrafo do texto, a autora fala de um príncipe. Já no sexto parágrafo, ele fala de um reizinho.
O príncipe e o reizinho de que ele fala são a mesma pessoa? Explique.
R- Sim, pois ele era príncipe enquanto seu pai era vivo, assim quando ele morreu, o príncipe se tornou rei.
Por que a autora classifica como absurdas as leis que o reizinho fazia?
R- Porque não fazia sentido nenhum.
Procure no dicionário os sinônimos da palavra absurdo e copie o que combina com o sentido do texto.
R- Asneira; tolice; contrário e oposta à razão, ao bom-senso.
Segundo os conselheiros, que tipos de lei um rei precisava fazer?
R- Um rei tem de fazer leis importantes para tornar o povo mais feliz.
Pense em alguns problemas que temos em nosso país e converse com seus familiares sobre possíveis soluções para eles.
Saúde
R- Fazer mais hospitais e postos de saúde, bem como realizar um acompanhamento das crianças carentes, apoiar as campanhas de vacinação.
Moradia
R- Todas as pessoas tem direito de ter uma casa para viver. Para isso é preciso um planejamento habitacional.
Emprego/ desemprego
R- Todas as pessoas precisam trabalhar para se sustentar. É importante haver emprego para todos.
Procure informações sobre as leis do nosso país e responda as perguntas abaixo.
Onde ficam registradas as leis?
R- Na constituição.
Quem as cria? Como?
R- O poder legislativo é aquele que faz, aprova, altera, revoga e emenda as leis que regem a comunidade nacional e tem poder de fiscalizar o governo em nome do povo, de acordo com as necessidades.
De que modo são escolhidas as pessoas que fazem as leis? Qual a profissão que essas pessoas assumem quando são selecionadas?
R- Todos os representantes do poder legislativo são escolhidos pelo povo por meio de eleições diretas e secretas. Os eleitores elegem seus políticos aos cargos de: senador (8anos), deputados (federal e estadual por 4 anos), e vereador (4 anos).
Como se muda uma lei que já está pronta?
R- Muda-se uma lei através de projetos de alteração apresentados pelos legisladores para discussão e votação. Se esses projetos forem aprovados, a lei é modificada; se não, continua a mesma.
4- Copie do texto O Reizinho Mandão palavras com estes dígrafos:
Qu- qualquer, quietos, esquecendo, que.
Gu- ninguém.
5- Agora, com toda a atenção, procure no texto palavras polissílabas com encontros consonantais ?
R- precisava, implicante, terminantemente, proibido, desesperados, explicavam, importantes, vermelhinho, aprendendo, engraçado, esquecendo.
6- Analise esta frase:
Os conselheiros do rei ficavam desesperados, tentavam dar conselhos a ele(...)
a- Retire dela os substantivos que estão no:
Singular- Rei
Plural- Conselheiros, conselhos.
b- A palavra desesperados é substantivo?
R- Não
c- Quais são os verbos da frase? Em que tempo eles estão?
R- Ficavam, tentavam, davam Pretérito imperfeito.
7- Releia o texto O reizinho Mandão e sublinhe todas as expressões em que aparecem aspas(“ ”).
R- “Fica determinantemente proibido cortar a unha do dedão do pé direito em noite de lua cheia”, “É proibido dormir de gorro na primeira quarta-feira do mês”, Cala a boca”.

15- Texto O Leão Briguento


Aconteceu há muito tempo. Num tempo em que não havia estradas, nem chão batido. Nem uma picada, para ver quanto tempo faz. E aconteceu num lugar em que só havia mata, um matagal sem fim.
Era olhar para um lado: mata. Para outro; mata. Para o chão: mata. Só olhando para o céu é que dava para ver o céu com sol ou céu com chuva. E, mesmo assim, nuns lugares da mata, olhando para cima também só mata se via.
Neste lugar moravam onças, panteras, tigres, elefantes e mais os animais que você quiser pôr na história, que agora ela é sua.
Como é história de animais em que aparece leão, havia um rei, o Leonis. Quando ele morresse, o rei seria seu filho Leonas, como antes tinha sido o avô Leonardo.
Só que tem um negócio. Os animais estavam pensando em mudar a lei do lugar, para pôr um chefe que fosse eleito por todos. Enquanto isso, o jovem Leonas aproveitava por ser filho do rei.
Bastava encontrar animais almoçando uma caça que eles mesmos tinham caçado, que partia pra cima. Nem queria saber se tinha dado trabalho caçar a caça. Ele chegava, olhava e berrava: Exijo para mim!”
Se via um grupo conversando, Leonas chegava, gritava, ordenava: “Exijo saber de tudo!” Parece que os animais que têm mania de mandar nos outros vivem pensando que os outros só fazem falar mal deles.
Um dia ele cismou de ter as pintas de dona Onça Pintada, porque um pêlo assim belo deveria ser do filho do rei. Não adiantou a onça protestar, o rei falar, o ministro das Explicações explicar. Parece que os animais que gostam de mandar nos outros pensam que podem ter tudo que desejam.
Os bichos andavam fartos do leão, que andava cheio de querências. Mas se calavam: de medo ou de preguiça mesmo. Até que uma corça velha, muito velha, com o nariz cheio de barro, os bichos reuniu.
- Os tiranos gostam de sua tirania. Quanto mais mandam, mais gostam de mandar. Mas também sentem desprezo dos que deixam tudo assim ficar. Por isso, ou vocês reagem agora, ou para viver em paz, vão ter que abandonar a mata.
Os bichos ficaram espantados com a corça velha, muito velha, com o nariz cheio de barro, que tinha coragem de falar o que sentia. E eles ficaram pensando no que ela tinha dito. Pensando, Pensando.
E eu pergunto a vocês: o que a bicharada fez? Eu bem que sei, mas não digo não. Quem quiser, encontre a solução.

16 Interpretação do texto
a- Numere os parágrafos. Quantos parágrafos tem o texto? Tem 15 parágrafos.
b- O lugar da história é apresentado nos parágrafos de números 1 e 2 ou 3 e 4? Parágrafos 1 e 2
c-“Aconteceu há muito tempo.” Que fato, no primeiro parágrafo, comprova que esta história aconteceu há muito tempo? R. Aconteceu h[a muito tempo. Num tempo em que n’ao havia estradas, nem de chão batido. Nem uma picada , para ver quanto tempo faz.
d-“...havia um rei, o Leonis. Quando ele morresse, o rei seria seu filho Leonas, como antes tinha sido o avô Leonardo.”
Os animais não estavam satisfeitos com essa história de o governo passar sempre de pai para filho e queriam mudar a lei do lugar. Como deveria ser a nova lei para eles? R. Q eu os animais escolhessem através do voto quem seria o novo rei.
e- “Enquanto isso, o jovem Leonas aproveitava por ser o filho do rei” Com essa afirmação, a autora quis dizer que, por ser filho do rei, o jovem leonas:
- sentia-se no direito de fazer o que quisesse.
- viajava para onde bem entendesse.
-sentia-se na obrigação de respeitar todos os animais.
f- Ele chegava, olhava e berrava: “Exijo para mim.”
Leonas tinha o direito de fazer isso? Por que?
g– Cite duas passagens que mostram a falta de respeito aos animais por parte do jovem Leonas. Exijo para mim. E Exijo saber de tudo.
h- Os bichos, embora cansados com as atitudes estúpidas do jovem Leonas, não reagiam. Cite a passagem que prova isso.
R. Os bichos fartos do leão, que andava cheio de suas querências. Mas se calavam: de medo ou de preguiça mesmo.
i- Por que razões os bichos não reagiam?
Por medo ou preguiça mesmo.
j- De acordo com a corça velha, os tiranos desprezam aqueles que se calam e não defendem seus direitos. Que passagem do texto mostra isso?
R. Por isso, ou você reagem agora, ou, para viver em paz, vão ter que abandonar a mata.
l- COMPLETE: Na opinião da corça velha, os animais estavam diante de uma séria escolha: ou ................... ou, para viver em paz...............................................
m- “ Os bichos ficaram espantados com a corça velha... que tinha coragem de falar o que sentia.” Por que esse espanto? R. Porque eles não tinham coragem de falar o que sentiam.
n- O que você acha das pessoas que _ como a corça velha _ tomam a iniciativa de liderar movimentos contra as injustiças? R. É importante ter alguns lideres para falar pelos que não tem coragem de dizer o que pensam.
o-Se participasse da reunião dos bichos, que solução você apresentaria para o problema da bicharada? R. Que fizessem uma votação para ver quem seria o rei.
p- Qual é a maneira mais correta de se escolher um governante? R- Com a votação do povo.
q- Alguém tem o direito de fazer o que bem entende por ser filho, parente ou amigo de alguma pessoa que ocupa cargo importante? Por que? R.Não, porque todos devem ter os mesmos direitos, de acordo com as leis.
17- Pesquisa sobre: Museu Cruz e Sousa e Assembleia Legislativa
1 - Quantos deputados tem na Assembleia Legislativa de Santa Catarina atualmente?
1- Qual a função de um deputado?
2- Qual o tempo de mandato de um deputado?
5- Onde está localizado o Palácio Cruz e Sousa?
6- Pesquise informações sobre o Poeta Cruz e Sousa..

Visita a Assembléia Legislativa/SC

18- Com ajuda de seus pais, faça uma pesquisa sobre cidadania.

Texto para leitura _ O CIDADÃO BRASILEIRO

No Brasil, considera-se um cidadão todo indivíduo dotado de direitos e deveres em uma sociedade. Entre os seus direitos estão votar nos governantes que fazem as leis, ter acesso aos serviços públicos (por exemplo, hospitais e escolas), organizar-se livremente em associações, manifestar suas idéias religiosas e políticas, etc. Em troca, o cidadão tem deveres como pagar impostos e cumprir as leis.
a - Você vem agindo como um cidadão? Justifique.
...............................................................................................................................
b- Quais as ações de cidadania que você pratica?

c- Ser solidário é ser cidadão?................................................
.................................................................................................
d-Para você, (aluno), quais são seus deveres em relação à escola, a família e a comunidade que você vive.
......................................................................................................
eQuais são os valores que encontramos na escola e na comunidade?..................................................................................

f- Quais deles você pratica?........................................................

g-Faça um desenho mostrando uma situação de desrespeito à cidadania.

19 Visite ao Museu CRUZ E SOUZA.
- Todo cidadão deve conhecer e preservar sua história

20- Trabalhar com jornais em sala de aula possibilita a reflexão dos acontecimentos atuais – Alunos em equipe, realizam pesquisa utilizando o jornal A Notícia e o jornal Diário Catarinense e contam através de imagens a história da copa do Mundo de futebol de 2010.

21- Texto IGUALDADE
O REI
Pessoas grandes e fortes o rei enxergava bem.
Mas se fossem pequeninas, e se falassem baixinho, o rei não via ninguém.
Por isso seus funcionários tinham de ser escolhidos entre os grandes e falantes,
sempre muito bem- nutridos. Que tivessem muita força, e que fossem bem nascidos.
E assim, quem fosse pequeno, da voz fraca, malvestido, ele nunca, nunca era ouvido.
O rei não fazia nada contra tal situação: pois nem mesmo acreditava nessa modificação.
E se não via os pequenos e sua voz não escutava, por mais que eles reclamassem
o rei nem mesmo notava.
(RUTH ROCHA)
DISCUTINDO O TEXTO
1- Responda com atenção.
a- Quem seriam as pessoas grandes e fortes que o rei enxergava bem?
R- Os ricos, ou seja a nobreza.
b- E os pequenos, de voz fraca e malvestidos?
R- Os súditos, isto é, o povo em geral.
c- Quem era o rei? Por que ele não fazia nada contra tal situação?
R- O rei era o governante.
2- Copie do texto palavras terminadas com consoante e que sejam:
Substantivos no singular: Rei força.
Adjetivos no plural: Grandes, fortes, pequeninos, falantes, bem-nutridos.
Verbos: enxergava, falasse, via, acreditava, ser, reclamassem, tinham,notava, tivessem, fosse, era.
3- Vamos examinar esta frase:
E assim, quem fosse pequeno, da voz fraca, mal vestido,ele nunca, nunca era ouvido.
No trecho acima, a palavra vestido é substantivo, adjetivo ou verbo?Explique.
R- É adjetivo, pois qualifica o substantivo.

22 - visita a feira do livro em Florianópolis-2010

23- Texto ESPERTEZA
O rei recebeu Pedro muito bem e nem desconfiou de nada:
_ Muito bem, frei Damião, está pronto para responder às minhas perguntas?
Pedro fez que sim com a cabeça.
Então o rei começou:
_Está vendo aquele morro, detrás do meu palácio?
Pedro olhou pela janela e viu.
_Pois me diga, meu bom frade, quantos cestos são precisos para carregar toda aquela terra para o outro lado do palácio?
_ Depende, Majestade!
_Depende de que, frei Damião?
_ Pois depende do tamanho do cesto, Majestade. Se o cesto for do tamanho do morro, basta um.
Se for a metade do morro, é preciso dois.
-Então me diga lá, meu bom irmão, onde é que fica o centro do Universo?
Pedro sabia muito bem que ninguém sabia nem de que tamanho era o Universo, quanto mais onde era o centro... Mas ele sabia, que os reis são muito convencidos e acham que são a coisa mais importante do mundo.
Então, Pedro, muito sem-vergonha, respondeu:
-Ora, meu rei, esta pergunta é fácil! Todo mundo sabe que o centro do Universso é onde está Sua Magestade...
O rei ficou todo prosa pela resposta de Pedro e começou a achar que aquele fradinho era muito sabido, mesmo. Então ele veio com a pergunta mais difícil de todas:
-Então me responda, Frei Damião. O que é que eu estou pensando?
- Vossa Magestade está pensando que eu sou o Frei Damião, mas eu sou é o vaqueiro dele.
Foi uma risada só. Todos na corte acharam tanta graça que o rei não teve outro remédio senão rir também.

24- CIDADANIA

A história da cidadania confunde-se em muito com a história das lutas pelos direitos humanos. A cidadania esteve e está em permanente construção; é um referencial de conquista da humanidade, através daqueles que sempre lutam por mais direitos, maior liberdade, melhores garantias individuais e coletivas, e não se conformam frente às dominações arrogantes, seja do próprio Estado ou de outras instituições ou pessoas que não desistem de privilégios, de opressão e de injustiças contra uma maioria desassistida e que não se consegue fazer ouvir, exatamente por que se lhe nega a cidadania plena cuja conquista, ainda que tardia, não será obstada. Ser cidadão é ter consciência de que é sujeito de direitos. Direitos à vida, à liberdade, à propriedade, à igualdade, enfim, direitos civis, políticos e sociais. Mas este é um dos lados da moeda. Cidadania pressupõe também deveres. O cidadão tem de ser cônscio das suas responsabilidades enquanto parte integrante de um grande e complexo organismo que é a coletividade, a nação, o Estado, para cujo bom funcionamento todos tem de dar sua parcela de contribuição. Somente assim se chega ao objetivo final, coletivo: a justiça em seu sentido mais amplo, ou seja, o bem comum diferenciando o certo do errado tendo ética.

CIDADANIA

É a participação social e política. É o exercício dos direitos e dos deveres. É a adoção de atitudes corretas no dia-a-dia, tais como solidariedade, cooperação, respeito aos outros. É viver dignamente, respeitando a si e ao outros, e não concordar com as injustiças.
Cidadania é o direito de:
1. morar decentemente;
2. estudar;
3. ter lazer;
4. ter atendimento necessário nos problemas de saúde.
É ter dever de:
1. não jogar lixo na rua.
2. não quebrar o orelhão;
3. ser solidário com as pessoas carentes;
4. respeitar as leis.

REFLETIR SOBRE os valores morais: Não mentir, roubar, cobiçar, trapacear, etc.
Trabalhando o dicionário. Procure o significado da palavra cidadania.

Junte as sílabas e faça três frases:
ci-da-da-ni-a
res-pei-to
con-du-ta
vo-to
ci-da-dão
Faça um pequeno texto sobre “diferenças sociais” relacionado com a fábula O Patinho Feio.
Recorte nas revistas, jornais uma reportagem ou figura que fale sobre qualquer desses temas.
25 - Assistir uma propaganda e responder: se é abusiva; se o produto é supérfluo na vida das pessoas ou é essencial .
Com a ajuda de um adulto (responsável) assistir uma propaganda e responder:
Qual o produto...................... O preço: a vista.........................a prazo.........................
É um produto essencial a sobrevivência das pessoas?...................................por que?..................
...........................................................................................................................................
A propaganda é abusiva ou enganosa?....................................................................
26- Resolver problemas envolvendo os preços dos produtos das propagandas..
Elaborar problemas ocupando panfletos de propaganda de variados produtos para que o aluno aprenda a refletir na hora de escolher o que comprar e porque comprar.
27- Leitura por um professor de um texto em forma de prosa, referindo-se a política e aos políticos. Jornal DC 16.08.2010. Posteriormente foi explicado o significado de alguns conceitos e palavras desconhecidas.
28- Texto: Começa hoje, com a participação dos candidatos à presidência da República, os programas do horário eleitoral gratuito. Jornal DC 17.08.2010.
Leitura com ajuda dos responsáveis, para posterior discussão em sala de aula.

29 Cinema é cultura e todo cidadão deve ter acesso aos bens culturais de seu país

30--
“BRASIL: UM SONHO VERDE-AMARELO !!!???”


MENINO MULTICOLORIDO
Eu sou um menino multicolorido.
É, eu sou de todas as cores por dentro.
Sou misturado. Meu sangue é feito do sangue de muitas raças.
Minha mãe disse que quem tem avós de raças diferentes é mis . . . mis . . . Esqueci! É um nome complicado. Prefiro pensar que sou multicolorido. Tenho sangue de francês, de negro, de espanhol e de índio.
Por fora eu sou branquinho, de cabelo claro. Por dentro, sou europeu, preto, mulato, mestiço.
Acho que é por esse motivo que eu gosto tanto dos índios do Brasil.
Gosto deles porque eu sou um pedaço índio e porque eles estão deixando de ser índio por inteiro. É que as pessoas brancas aqui do Brasil, já faz tempo, que estão enganando e destruindo eles, os donos da terra.
Eu vi na televisão os índios xavantes em Brasília. Eles estavam querendo que o presidente ajudasse todos eles a não desaparecerem.
Fiquei muito aborrecido. Vai chegar o dia em que não vai ter mais índio no Brasil.
Nesse dia, o Brasil vai ficar bem pequenino e não vai mais ser tão bonito, porque quem faz a nação são as pessoas da terra.
Nesse dia, eu vou ficar triste para sempre. Sei que vou ficar branquinho de raiva.
Alberto Rodrigues Alves

. Leitura silenciosa; leitura oral pelo professor; leitura individual pelos alunos.
Discussão em torno das idéias apresentadas no texto.

30. Estudo do texto
1) “Eu sou um menino multicolorido. É, sou de todas as cores por dentro.”
A palavra “cores” significa ___________________ .

2) Segundo o próprio menino, como ele era “por dentro”? E por fora?

3) “Acho que é por esse motivo que eu gosto tanto dos índios do Brasil.”
O motivo a que ele se refere é
( ) Os índios são os donos da terra.
( ) Tenho sangue de índio.
( ) Os índios são bons.

4) Segundo o texto, os índios estão deixando de ser índio por inteiro. Por que isso está acontecendo?

5) Os nossos índios vão acabar.
Transcrever o trecho que mostra as conseqüências desse fato.

6) Copie do texto a frase que fala da reação do menino diante do desaparecimento dos índios.


7) Você também é nação brasileira. Procurar no texto uma frase que afirme isso.

8) O texto diz que os índios são os verdadeiros donos da terra. Você concorda com isso? Por quê?

31- Produção

1) Escolher um trecho do texto que você achou interessante e fazer a ilustração correspondente.

2) Você deverá redigir uma carta ao “povo brasileiro” , escolhendo uma das opções propostas:

a) Você é uma criança indígena que manifesta-se publicamente nessa comemoração do “descobrimento” do Brasil pelos portugueses.

b) Você é uma criança que tem consciência dos problemas brasileiros, e manifesta-se publicamente, expressando seus sentimentos e suas preocupações.

Apresentação dos trabalhos: todos os trabalhos deverão ser apresentados em sala de aula e expostos em mural no pátio da escola.

31- Texto: Começa hoje, com a participação dos candidatos à presidência da República, os programas do horário eleitoral gratuito. Jornal Diário Catarinense - Terça feira, 17 de agosto de 2010. Ano 25 – no 8.879
Tecendo Linguagens- Tânia

32- Resolver situações problema com dados pesquisados em casa. Com ajuda de um adulto, responda:
Gastos da minha família em:
( ) gás, ( ) alimentação, ( )energia elétrica ( ) água, ( ) remédios, ( ) telefone,
( )transporte, ( ) vestuário, Lazer ( ) quais os tipos de lazer que você costuma realizar...............................

33-Com um valor mensal de R$800,00,como você gastaria?

34- Com a ajuda de um adulto (responsável) assistir uma propaganda e responder:
Qual o produto......................O preço: a vista.........................a prazo.........................
É um produto essencial a sobrevivência das pessoas?...................................por que?....................................................................................................................................
A propaganda é abusiva ou enganosa?..............................................................................
35- Assista ao filme “ Um Sonho Possível”.Identifique o personagem principal e o descreva e através de um pequeno texto fale sobre um ato de cidadania mostrado na história.
a) Assistir O Filme;
b) Discutir- discriminação racial, importância da família, cidadania, superação, importância dos estudos...
c) Produção de texto individual

36 - Participação no desfile Cívico- 2010 – Tema- Ano internacional da
Biodiversidade ’–Representando a Fauna

37- Assista ao filme “ A Fábrica de chocolate” Direção: Mel Stuart - Gênero do filme: Comédia/Fantasia/Musical -(Willy Wonka & the Chocolate Factory, 1971 )
Observe os personagens que são criança e o motivo pelo qual cada um perdeu o prêmio. Destaque os valores mostrado pelas crianças durante o enredo.
Sinopse: Um grupo de crianças vence o concurso das barras de chocolate Wonka e tem acesso à misteriosa, mágica e fantástica fábrica de chocolate, onde segredos bizarros da fabricação do produto estavam até então trancafiados a sete chaves.
38- Assista ao filme “ A Bússola Dourada” . Discuta no grande grupo o que o filme mostra de diferente que não ocorre na nossa vida . Na sequencia os alunos devem escrever um texto falando de três situações da sociedade brasileira que poderiam ser diferente. O título do texto será: Um Mundo Diferente.

39- Pesquisa na internet sobre: A FUNÇÃO E A IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR
Desde os primórdios da cultura grega, o professor se encontrar em uma posição de importância vital para o amadurecimento da sociedade e a difusão da cultura. As escolas de Sócrates, Platão e Aristóteles demonstram a habilidade que tinham os pensadores para discutir os elementos mais fundamentais da natureza humana.
artigo 13 da LDB sobre a função dos professores:

Artigo 13 - Os docentes incumbir-se-ão de:
I. participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;
II. elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;
III. zelar pela aprendizagem dos alunos;
IV. estabelecer estratégias de recuperação dos alunos de menor rendimento;
V. ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional;
VI. colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade.

40- Eleger o líder e vice líder da turma
Em setembro de 2010, após a pesquisa e discussão sobre a função do deputado; Senador; governadores e presidente os alunos foram orientados a escolher um líder e um vice líder da turma. Em outubro foi realizada a mesma atividade, mas antes da escolha dos candidatos foi feito uma análise da atuação dos representantes e se eles exerceram bem suas funções. Os líderes que estavam deixando o cargo também deram sua opinião sobre como se sentiram; o que foi mais difícil de executar e se receberam o apoio necessário por parte dos professores para atuarem durante a legislatura. Discutiu-se também, questões como: compra de voto; a importância de conhecer os candidatos e acompanhar a atuação dos mesmos durante sua atuação.

41- Conhecer comparar e discutir os programas de governo de candidatos à presidência da república.
Eleições 2010
CONHEÇA O PROGRAMA DE GOVERNO DE UM(A) CANDIDATO(A) À PRESIDÊNCIA NAS ELEIÇÕES 2010
O eleitor consciente de sua responsabilidade precisa conhecer seu candidato. Um atalho é acompanhar as ideias defendidas pelo político e seus projetos para o futuro governo. Nesta quarta-feira, 22, o Opinião e Notícia lista as principais propostas de dois candidatos à presidência da República. Veja as diretrizes do programa de governo para os setores da Saúde, Educação, Programas Sociais, Economia e Segurança.
Saúde • Criar clínicas voltadas para o tratamento de usuários de drogas.
• Entregar em dois anos 150 Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs).
Educação • Investir em infraestrutura das escolas básicas.
• Ampliar investimentos no ensino em sala de aula, colocando dois professores por turma de primeira série do Ensino Fundamental.
• Criar mais de 1 milhão de novas vagas em escolas técnicas por todo o país.
Programas Sociais• Ampliar o Programa Bolsa Família.
• Criar o ProTec, projeto em que concede bolsas do governo a estudantes que queiram fazer cursos profissionalizantes em escolas particulares.
Economia• Estimular o crescimento econômico e a geração de empregos com obras de infraestrutura.
Segurança • Criação do Ministério da Segurança Pública.
Confira os principais projetos de governo de uma candidata para os setores de Saúde, Educação, Programas Sociais, Economia e Segurança.
Saúde • Ampliação de projetos do governo Lula como o Programa de Saúde da Família (PSF) e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).
• Aumento de investimentos na produção e distribuição nacional de medicamentos.
Educação • Dar prioridade à erradicação do analfabetismo.
• Criação do Sistema Nacional Articulado de Educação, cujo objetivo é ‘redesenhar’ os mecanismos empregados na gestão da Educação.
Programas Sociais • Ampliar o Programa Bolsa Família e reforçar projetos do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
• Expansão do programa Territórios da Cidadania.
Economia • Manutenção da política econômica adotada pelo governo Lula.
• Realizar reforma tributária a fim de reduzir encargos dos trabalhadores.
• Ampliação do emprego formal.
• Manutenção da política de valorização do salário mínimo.
• Exploração dos recursos do Pré-Sal.
Segurança • Expansão do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), para os 27 estados (atualmente, o programa está presente em 22 estados da federação).
• Criação de um Fundo Constitucional de Segurança Pública para subsidiar salários de policiais civis e militares.
Cultura • Implantação do Plano Nacional de Cultura e do Sistema Nacional de Cultura.
• Expansão de programas de estímulo ao consumo e difusão de bens culturais, como o Vale Cultura.
Proposta de outro(a) candidato(a) à presidência da República
Educação para a sociedade do conhecimento Para estabelecer uma ponte entre o Brasil do presente e do futuro, é imprescindível uma educação de qualidade, formadora de cidadãos comprometidos com uma vida social solidária e preparados para os desafios de uma sociedade cada vez mais demandante de informação e conhecimento. Um esforço emergencial é necessário para enfrentar a escassez crescente de trabalhadores qualificados em áreas estratégicas, caracterizando um verdadeiro apagão de capital humano. A superação dessa situação se dará pelo investimento intensivo em todos os níveis da educação formal, no ensino técnico e tecnológico, pela ampliação do acesso às tecnologias e pelo desenvolvimento de outros espaços de aprendizagem.
a. Construção do Sistema Nacional de Educação – Promover maior articulação entre União, Estados e municípios, definindo-se suas atribuições e responsabilidades para superar as disparidades na distribuição de recursos entre as regiões, ao mesmo tempo em que se reconheçam as diversidades que devem ser respeitadas no processo pedagógico.
b. Educação como prioridade política e orçamentária – É preciso assegurar investimentos que aprimorem o ensino no país e a ampliação dos valores per capita anual investidos por aluno, adotando assim as referências sugeridas pelos estudos sobre o Custo Aluno-Qualidade.
c. Novos conhecimentos – É preciso reorientar o conhecimento e os modos de organização da escola e as demais instâncias educadoras da sociedade, considerando-se como eixos centrais: a educação científica, as questões socioambientais, a diversidade cultural e as tecnologias digitais, que se tornam cada vez mais dinâmicas por meio das redes sociais.
d. Atenção à primeira infância articulada com as áreas de educação, saúde e assistência social – Apoiar a ampliação de creches com instalações apropriadas, condições básicas de higiene e profissionais qualificados, para que as mulheres possam trabalhar com tranquilidade. Garantir qualidade nas creches públicas com cogestão comunitária, assegurando supervisão com o intuito de prover funcionamento e educação adequados. Integrar as políticas de atendimento à primeira infância aos programas de apoio à família com transferência de renda e capacitação relativa aos cuidados de saúde e ao desenvolvimento físico, cognitivo e emocional das crianças feito por agentes comunitários.
e. Melhoria da qualidade da educação básica de modo a garantir as aprendizagens de todos os alunos na idade correta – A qualidade da educação passa pela valorização do professor, priorizando-se sua formação inicial e continuada e também pelo estabelecimento de planos de carreira e salários dignos. Com o objetivo de se garantir que os professores se apropriem de novas bases curriculares e das tecnologias digitais, é importante a realização de um pacto educacional para o estabelecimento de parcerias com todos os segmentos sociais e especialmente com as universidades públicas e privadas para que o redirecionamento da formação dos professores responda aos novos desafios da sociedade.
f. Valorização dos profissionais de educação – Garantir a mudança do quadro atual da educação, que deve passar por um resgate do reconhecimento e respeito da importância social dos profissionais da educação, envolvendo não só gestores, diretores, professores, mas também bibliotecários, inspetores e serventes. Promover o aumento e o cumprimento do piso salarial dos profissionais, investir na melhoria das condições de trabalho e dos planos de carreira, assim como fortalecer programas de formação inicial e continuada adequados e de qualidade. Estabelecer rede digital de compartilhamento de experiências e construção coletiva do conhecimento e garantir o acesso a computador e Internet aos professores.
g. Educação Integral – Garantir as aprendizagens dos alunos com ênfase em uma educação integral e inclusiva, em que se considerem tanto as dimensões afetivas, físicas e cognitivas do desenvolvimento das crianças e adolescentes, como as aprendizagens, tempos, valores e atitudes nos diversos campos do conhecimento. O reconhecimento de inúmeras oportunidades existentes nos espaços das comunidades e das famílias possibilita a implementação de diferentes arranjos organizacionais, de modo a se respeitar as diferentes realidades educacionais. Educação em período integral implica em ampliação da jornada educacional, na diversificação dos saberes e na garantia de alimentação adequada.
h. Consolidação dos direitos coletivos e valorização da diversidade sociocultural e ambiental – Promover o desenvolvimento de políticas intersetoriais centradas nos territórios de forma a priorizar e apoiar de forma articulada os programas voltados às famílias e às escolas situadas em áreas de alta vulnerabilidade, combatendo as desigualdades regionais de forma a atender às demandas específicas de cada região. Efetivar a erradicação do analfabetismo e promover a importância das relações étnico-raciais, de gênero e diversidade sexual adequadas às diferentes realidades educacionais e especificidades regionais.
i. Ensino médio e profissionalizante – Definir parâmetros contemporâneos para o ensino médio que promovam o crescimento do número de matrículas e evitem a evasão de alunos. Expandir a rede de escolas técnicas para responder às demandas do mercado de trabalho, priorizando-se as profissões relacionadas à economia verde. Capacitar cidadãos e instituições da sociedade civil para a realidade do trabalho. Implementar políticas de subsídio à permanência dos jovens no ensino médio, adequadas às diferentes realidades regionais e especificidades dos sistemas de ensino.
j. Infraestrutura para o capital humano – Ampliar o acesso a escolas, universidades, centros culturais e esportivos, telecentros, bibliotecas, museus que apresentem condições adequadas no que se refere aos prédios e equipamentos, considerando o acesso à banda larga como direito de todos à informação.
k. Ampliação do ensino superior e da produção de ciência – Garantir um acesso mais democrático ao ensino superior, em especial à sua modalidade pública e gratuita, é essencial, não apenas para garantir que direitos sociais sejam viabilizados, mas para que o país possa avançar na construção de conhecimento e de novas estratégias para lidar com os desafios do mundo contemporâneo, entre eles o mundo do trabalho. Incentivar e apoiar as licenciaturas curtas, especialmente aquelas voltadas para áreas de novas tecnologias e para formação de professores nas ciências exatas. Criação de centros de excelência para o desenvolvimento de estudos e pesquisas que possibilitem respostas aos desafios de um desenvolvimento sustentável e da vida no planeta.
l. Estabelecer o diálogo constante entre saber científico e popular, criando incentivos para que todos os estudantes universitários realizem atividades de extensão universitária buscando concretizar a função social da universidade. Ampliar os recursos para extensão universitária, integralizar as atividades de extensão nas grades curriculares (crédito de extensão

4200- Visita a Reserva Florestal de Maciambu em Palhoça, que faz Parte do Parque da Serra do Tabuleiro (outubro de 2010).

Bibliografia
Sistema Educacional Energia, 4ªSÉRIE, Volume 4
http://www.cineplayers.com/filme.php?id=436 acesso em 06-10-2010
http://semordem.blogspot.com/2008/01/importncia-do-professor.html
http://www.minhamarina.org.br/diretrizes_governo/governo/Educacaov2.php acesso em 22-09-2010
http://opiniaoenoticia.com.br/opiniao/artigos/a-proposta-de-jose-serra/?leiamais acesso em 22-09-2010
-Bibliografia
Mércia Maria Silva Procópio - Coleção TROCANDO IDÉIAS; Língua Portuguesa e Projetos
Novo Espaço Filosófico Criativo- 4ª série- Silvio Wonsovicz e Sandra Magalãoe Albertino- 2ª Edição- Editora Sophos. Florianópolis-SC. 2003.
Estatuto da Criança e do Adolescente, 3ª edição, Série E.Legislação de Saúde. Editora MS. Brasilia-DF-2006.
Texto de Gilberto Dimenstein extraído do livro O Cidadão de Papel, a infância, a adolescência e os direitos humanos no Brasil, pg 17 a 20. Apud Energia 4ª série volume 4.
Cartilha do Consumidor- Ministério da Justiça. Secretaria de Direitos Econômicos. Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor.
Direitos da Mulher- Cartilha
Jornal Diário Catarinense - Segunda feira, 16 de agosto de 2010. Ano – no
Jornal Diário Catarinense - Terça feira, 17 de agosto de 2010. Ano 25 – no 8.879
0 comentários
domingo, 2 de setembro de 2012 0 comentários
Roteiro para seminário de pesquisa

Começaremos na próxima semana as apresentações dos seminários de pesquisa, cujo objetivo é relatar o andamento das pesquisas que dão base à elaboração do trabalho de conclusão de curso.
Além de preparar o aluno para a etapa vindoura da apresentação do TCC perante a banca e auditório, estes seminários serão de grande importância para diálogo, troca de experiências entre os colegas da sala, permitindo reorientação dos rumos do trabalho.
Cada aluno terá cinco minutos para expor para a sala os seguintes aspectos:
- Título provisório do trabalho
- Delimitação do tema e caracterização do objeto
- Identificação do tipo de pesquisa
- Problema de pesquisa
- Técnicas e procedimentos de coleta de dados
- Estágio atual do andamento do trabalho
Além da exposição oral, cada aluno deverá apresentar um texto sucinto com as informações solicitadas no roteiro. As apresentações serão seguidas de debate e questionamentos visando esclarecer pontos. Um bom trabalho a todos.
0 comentários

Metodologia do Projeto de Pesquisa : Explicando-o

Difereciando projeto e monografia

Uma dúvida não incomum entre os estudantes diz respeito à diferença entre projeto de pesquisa e monografia. Embora o blog já traga textos mais detalhadas sobre cada uma destas modalidades de trabalho científico, podemos traçar um pequeno quadro orientativo, procurando esclarecer as diferenças mais fundamentais:

Em outras palavras, o projeto consiste em um planejamento de um trabalho científico a ser desenvolvido, enquanto que a monografia é o resultado do processo de investigação delineado pelo projeto.


Justificativas: a relevância do projeto

Instituições de ensino, pesquisa e fomento exigem que os projetos a ela submetidos contenham uma breve exposição sobre a relevância da proposta.
Isto porque a pesquisa científica é um empreendimento social, exigindo-se dela uma contribuição não só para a área de conhecimento na qual o projeto se insere, mas também para a sociedade de um modo mais amplo.
Desta forma, ao elaborar o projeto, precisamos elencar as razões pelas quais nossa pesquisa deve ser apoiada institucionalmente. Tais razões constituem o que chamamos, no projeto, de justificativas.
São dois os tipos ou critérios de justificativas em um projeto de pesquisa: a relevância social e a relevância científica.
Todo projeto é relevante socialmente quando contribui, de alguma forma, para melhoria da sociedade, para compreensão do mundo em que vivemos ou ainda para desenvolvimento e emancipação do homem. Mesmo um projeto de tema absolutamente técnico deve trazer uma contribuição para a sociedade.
De modo mais específico, espera-se que todo projeto de pesquisa traga uma contribuição acadêmica e científica para a sua área de conhecimento.
Tal contribuição é assegurada pela utilidade do trabalho aos demais, pela contribuição cumulativa (ou seja, pelo que este acrescenta ao conjunto do conhecimento científico do tema), pelo ineditismo do tema ou da abordagem e pela contribuição à superação de lacunas no conhecimento.
Observe-se, ainda, que as justificativas são decisivas no processo de análise de um projeto pela instituição ao qual se apresenta. Afinal, um projeto sem relevância não merece nem ser aprovado, quanto mais posto em prática.


Escolha do tema

Elaborar um projeto de pesquisa - e nós aqui já vimos para que serve e quais são suas partes constitutivas - exige a escolha de um assunto. Não há outra forma de começar. Tudo no projeto gravitará em torno de uma temática.
Em geral, a primeira escolha que fazemos de um assunto ou área de pesquisa não apresenta um recorte muito preciso, exigindo que depois se retrabalhe o alvo de nosso interesse e assim se chegue à definição do tema.
Muito frequentemente os alunos partem para essa tarefa sem ter nenhuma idéia em mente sobre o que querem pesquisar. Ou ainda, quando têm um interesse, este se apresenta de forma muito abrangente e indefinida, manifestada por frases do tipo: "Professor, gostaria de fazer um estudo sobre contabilidade tributária", ou ainda, "Queria estudar sobre teorias da administração". Com o tempo, é natural que esse interesse geral vá se aprofundando e surja daí o verdadeiro tema do projeto.
Para aqueles que ainda não fizeram a escolha do tema, há alguns conselhos práticos - mais do que regras - que são formulados por Umberto Eco (Como se faz uma tese, São Paulo, Perspectiva, 2005, p. 6) e podem orientar o pesquisador, seja iniciante ou experiente:

1. O tema deve interessar ao aluno. Não adianta escolher temas que sejam impostos ou sobre os quais não se tenha qualquer motivação para seu estudo.

2. As fontes de pesquisa devem ser acessíveis. Antes de elaborar um projeto sobre um determinado assunto é preciso saber se as fontes para o seu estudo (documentação, bibliografia, etc.) estão ao "alcance material", ou seja, se estão disponíveis. De nada adiantaria escolher um assunto de pesquisa acerca do qual não teria a disponibilidade de acesso ao material, seja pelo fato das fontes serem raras ou pela área definida ser ainda muito nova ou altamente especializada.

3. Mesmo que estejam ao meu alcance material, as fontes devem ser manejáveis, isto é, estar ao "alcance cultural". Posso ter na biblioteca da minha faculdade as obras completas do autor que pretendo estudar, mas todas no original em alemão, língua a qual eu não domino, impedindo-me de manejar, ou utilizar, aquela documentação. Assim, neste exemplo, teríamos fontes acessíveis, mas não manejáveis.

4. Por fim, é preciso refletir se a metodologia e a teoria que pretendo empregar em minha pesquisa são adequadas à minha experiência. Não é raro que busquemos nos enveredar por áreas que exijam, previamente, uma série de conceitos e de conhecimentos teóricos. O que ocorre é que não dá para "improvisar" em uma pesquisa.

É preferível escolher uma abordagem menos "ousada", mas perfeitamente executável, do que pretender usar a "última teoria" e não ter domínio sequer dos seus conceitos básicos.
Como se vê, não há uma receita milagrosa para a escolha do tema. Este é fruto de muito trabalho e pesquisa. O que se pode é tentar aprender com a experiência daqueles que já passaram por esses mesmos dilemas e conseguiram "sobreviver" aos seus trabalhos de conclusão e teses de pós-graduação.


Estrutura do projeto de pesquisa

Pois é, pessoal, estamos de volta. Agora, com um novo desafio, que é o de produzir um projeto de pesquisa. Para tal empreitada, irei nortear aqui a estrutura de projeto de pesquisa que nos servirá de parâmetro. O objetivo, neste momento, não é o de discorrer em profundidade sobre cada uma das partes do projeto, mas assinalá-las. Então, vamos lá.
O projeto se inicia pela colocação do tema, que deve estar suficientemente delimitado, e pela formulação do problema.
A indicação de uma problemática de pesquisa sugerirá ao pesquisador hipóteses, respostas provisórias que orientam o trabalho de coleta de dados, que podem ou não ser comprovadas.
Após definido o objeto de estudo, expresso pela sequência tema-problema-hipótese, é necessário evidenciar a relevância social e a importância científica do objeto na justificativa.
No planejamento que constitui o projeto, o pesquisador deve deixar muito claro quais são seus objetivos, isto é, quais as metas estabelecidas para a investigação.
A formulação do objeto deve estar assentada em um sólido embasamento teórico. Aqui, deve-se evidenciar a teoria que embasará a interpretação dos dados recolhidos no campo ou na pesquisa bibliográfica, bem como elaborar a revisão bibliográfica pertinente ao tema.
A metodologia que orientará a pesquisa também precisa ser colocada com clareza no projeto. Por metodologia entende-se não só as técnicas e procedimentos a serem empregados para a coleta de dados, bem como o tipo de abordagem do objeto.
Por fim, a estrutura do projeto coonta com o cronograma - calendário das atividades futuras a serem realizadas durante a investigação - e a bibliografia, da qual constará não só obras usadas no projeto, bem como aquelas indispensáveis para o estudo do tema proposto.


O projeto de pesquisa e sua finalidade

O projeto de pesquisa é um planejamento elaborado pelo pesquisador antes do início de uma investigação científica.
Mesmo a pesquisa sendo um processo dialético, não se pode dispensar a sistematização prévia do que se pretende fazer, de como proceder e a que resultados se espera chegar.
Dificilmente se terá êxito em uma pesquisa cuja coleta de dados seja feita de forma assistemática e sem um norteamento teórico-metodológico.
A finalidade científica do projeto, então, é esclarecer ao próprio pesquisador as questões que ele pretende enfrentar e quais as estratégias as quais lançará mão para surpreendê-las.
Além do caráter de planejamento prévio de uma pesquisa - antecedendo a elaboração de teses e trabalhos de conclusão de curso -, o projeto tem outras finalidades, que podemos chamar de institucionais.
Em geral, os cursos de graduação exigem que os estudantes apresentem um projeto ou pré-projeto de pesquisa antes da elaboração da monografia final. É uma forma de se avaliar se o caminho adotado pelo aluno poderá surtir os efeitos esperados, auxiliando-o na formulação construção de um objeto de investigação.
Cursos de pós-graduação também solicitam dos candidatos projetos de pesquisa. São várias razões: verificar a pertinência do projeto na linha de pesquisa do programa; analisar a exequibilidade do projeto (ou seja, se o candidato conseguirá dar conta do que está se propondo); verificar o manejo do candidato de conceitos, teorias e metodologias.
As instiuições de pesquisa - tais como o CNPq - também exigem a apresentação de projetos de pesquisa pelos mesmos motivos expostos acima, visando avaliar também se o projeto se enquadra nas linhas de financiamento e se o mesmo apresenta relevância científica e social para ser fomentado através de uma bolsa de estudos.
Como vimos, a finalidade do projeto de pesquisa é dupla: científica e institucional. Desta forma, sua produção deve ser rigorosa, atendendo tanto às exigências da própria pesquisa, bem como das instituições na qual ela se insere.


Este artigo encontrei no http://metodologiadapesquisa.blogspot.com.br/search/label/projeto
Postado por José Artur Teixeira Gonçalves

Visualizações !

Translate

 
;